16 de junho de 2014

Balde Cheio beneficia mais de 80 famílias na Paraíba


Ascom Senar-PB

Mais de 80 produtores paraibanos são beneficiados com o projeto Balde Cheio que incentiva propriedades do estado a tornar viável economicamente a cadeia leiteira. O projeto foi idealizado pela Embrapa Pecuária Sudeste e implantado pelo Senar-PB em parceria com a Fundação Banco do Brasil (FBB). Com seis meses de implantação, já apresenta resultados positivos e mudança na vida de famílias.

O Balde Cheio tem atuação em Alagoa Grande, Aroeiras, Monteiro, Soledade e municípios vizinhos. Mesmo iniciando em períodos diferentes, todas as cidades apresentam crescimento de conhecimento na implantação do projeto. Segundo Thiago Palmeira, consultor de metodologia do Balde Cheio, os produtores já começam a enxergar a propriedade e as novas técnicas sugeridas, de maneira positiva. “Eles não tinham a cultura de implantar novos métodos, mas através do Balde Cheio, conseguimos mostrar a importância de inserir procedimentos, fazendo com que eles encarem suas propriedades como empresas que precisam de controle econômico. É um processo educacional, de transferência de informação”, concluiu.

Para o acompanhamento do projeto, técnicos se dividem pelo estado e visitam mensalmente todas as propriedades cadastradas para avaliar se as mudanças foram realizadas. De acordo com o técnico Alexandre Cortes, só na sua área de atuação são visitadas 32 propriedades nos municípios de Piancó, Aguiar, Igaracy, Itaporanga, Santana de Mangueira, Nova Olinda, Boa Ventura, Ibiara, Conceição, Santa Inês e Bonito de Santa Fé. Segundo ele, os produtores estão envolvidos com a cadeia do leite e seguem todas as orientações do profissional. “Mostramos para os proprietários as novas tecnologias existentes, fazemos um planejamento sobre a produção e identificamos a época da colheita, a produção futura, o investimento e qual a previsão de lucro. Damos orientação de acordo com cada região”, disse.

Segundo Thiago Palmeira, o próximo passo é avaliar os dados coletados e tomar decisões. Ele explicou que os técnicos já estão orientando os produtores a se prepararem para o inverno e a primeira sugestão é enxugar o rebanho para minimizar as despesas da propriedade. “Neste momento, vamos focar na administração”, resumiu. O consultor ainda revelou que a atividade leiteira agrega valor para região onde é desenvolvida e apostar nela, traz retorno positivo para os produtores e para Paraíba. “Com o aumento e qualificação da produção leiteira, conseguiremos aquecer a economia local, esperamos que os 84 produtores que fazem parte do projeto consigam se fortalecer como um setor estruturado. Nosso maior desafio é levar desenvolvimento”, falou.

Assessoria de Comunicação Faepa/Senar-PB