9 de maio de 2013

Minha Casa Minha Vida Rural em todo Brasil


Ascom Senar-PB

Promoção social foi o foco do workshop sobre o programa Minha Casa Minha Vida Rural realizado nesta quinta-feira (9) pelo Instituto CNA, para representantes das Federações de Agricultura e Pecuária e Administrações Regionais do SENAR. A ideia do ICNA é estimular as federações a levarem o Minha Casa Minha Vida Rural aos seus respectivos estados, a partir da experiência vivenciada pela Federação de Agricultura e Pecuária do Tocantins (FAET) que desenvolve o programa como projeto piloto.
“Esse projeto não é de fácil realização, mas acima de tudo nosso interesse é dar a essas famílias uma oportunidade de melhorar de vida. Por isso, peço que nos ajudem a expandi-lo para os demais estados assim como já está sendo feito no Tocantins”, afirmou o presidente do Instituto CNA, Moisés Gomes.
No encontro, o coordenador nacional do programa no ICNA, Giovanni Assis, destacou o trabalho social envolvido no projeto e o papel do SENAR nesse processo. “Essa é uma oportunidade até para as famílias que não se enquadram no programa, porque poderão existir civilmente, já que grande parte delas não tem sequer documentação própria. Vai ser um ganho social e o pontapé inicial para que mudem de vida. Além disso, por meio de uma parceria com o SENAR será possível capacitar essas famílias para que trabalhem e permaneçam no campo.”
De acordo com Assis, as federações poderão ser as entidades organizadoras do Minha Casa Minha Vida e caberá a elas a organização e inclusão do grupo de beneficiários, elaboração e apresentação do programa aos agentes financeiros (bancos), elaboração, acompanhamento, execução e conclusão das obras, além da elaboração e execução do trabalho técnico social. “Nesse processo teremos ainda a figura do mobilizador local, que será capacitado pelo ICNA, e será o responsável por levar as demandas dos interessados às federações”.
A meta do Minha Casa Minha Vida Rural é produzir 60 mil moradias entre 2012 e 2014. O público alvo do programa são agricultores familiares, trabalhadores e aposentados rurais, com renda familiar bruta anual de até R$ 15 mil.

Fonte: Assessoria de Comunicação Digital