18 de novembro de 2013

Oportunidades no agronegócio para o pequeno produtor


Ascom Senar-PB

O Brasil se tornou, nos últimos anos, um dos principais exportadores de alimentos do mundo. O destaque do país não se deve apenas a um conjunto de características favoráveis que envolve extensão territorial cultivável, clima propício e disponibilidade de recursos naturais. Muito dessa representatividade brasileira se deve à tecnologia, que viabiliza produção nacional em agronegócio impensável há algumas décadas. Os avanços têm sido possíveis graças à excelência do trabalho de instituições como a Embrapa, parceira do Sebrae para estimular a produtividade dos pequenos produtores.
Os micro e pequenos produtores têm muitas oportunidades para se inserir na cadeia de valor do agronegócio, que responde por 22,8% do PIB. O mercado nacional aquecido, com mais de 100 milhões de consumidores, é um atrativo e tanto para qualquer empreendedor, mas mesmo os pequenos negócios que não exportam não podem ficar alheios ao fato de que a concorrência não se limita mais aos negócios instalados na mesma cidade ou região. A concorrência tornou-se internacional e isso vale para qualquer empresa.
Com o aumento de renda, os brasileiros têm tido condições de viajar e consumir mais, tendo acesso a enorme variedade de produtos de qualidade. De que maneira os pequenos negócios podem conquistar mercado no agronegócio? O Sebrae acredita em três estratégias: gestão, inovação e acesso ao mercado, eixos que orientam o foco institucional nesse segmento. Para isso, contamos com parcerias estratégicas, interessadas em aumentar a produtividade e a qualidade do agronegócio no país.
Temos quase 5 milhões de pequenos produtores Rurais e agricultores familiares – estes representam 80% dos clientes do Sebrae no mundo rural. Qualificar essa força de trabalho e aumentar sua produtividade são ações estratégicas para estimular a geração de emprego e renda no campo, aumentar a inclusão social e o crescimento econômico nacional. Essa foi a motivação para o Programa No Campo, que o Sebrae lançou em outubro. O engajamento de cooperativas é decisivo para multiplicar os impactos positivos do projeto, que tem a meta de atender, no ano que vem, cerca de 50 mil produtores Rurais em todo o Brasil.
O No Campo reúne as soluções do Sebrae para os empresários Rurais: cursos, oficinas, kits educativos para apoiar o Produtor rural, em vários níveis de escolarização e porte do negócio rural. Queremos que os agricultores e pescadores sejam mais do que produtores, sejam gerentes do próprio negócio. A qualidade do produto está diretamente associada à qualidade da gestão. A combinação desses fatores, sem dúvida, se reflete no faturamento do negócio.
A qualificação do setor é o fundamento da nossa atuação conjunta com parceiros como a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e o Sistema S. Atuamos com a CNA no projeto Time Agro Brasil, que visa capacitar o Produtor rural, dando a ele informação e tecnologia para modernizar a produção. O Sistema S uniu suas competências para atuar em outra ação estratégica para o agronegócio brasileiro: o Programa Alimento Seguro (PAS). Por meio dele, Sebrae, Senai, Senac, Sesc e Sesi atuam para aumentar a segurança e a qualidade dos alimentos, como o que acontece na produção do leite e derivados.
Como qualquer negócio no mercado, o pequeno Produtor rural precisa criar diferenciais para sobressair. Uma alternativa é buscar o registro de indicação geográfica de procedência – e o Sebrae orienta o empreendedor nesse processo. O registro, concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi), reconhece a qualidade diferenciada de produtos de acordo com a região de produção. Exemplos de registros já concedidos são o café do Cerrado Mineiro, a Carne do Pampa Gaúcho e o melão de Mossoró (RN).
O aumento da competitividade também pode ser viabilizado pela inserção em projetos de encadeamento produtivo, uma relação de ganha-ganha entre empresas grandes e pequenas. As grandes empresas têm interesse de contar com fornecedores confiáveis, que, por sua vez, querem qualificar produtos e serviços e aumentar o universo de clientes. O Sebrae capacita esses pequenos negócios para atender às demandas das grandes. Dessa forma, toda a cadeia de produção sai ganhando. No agronegócio, temos essa atuação na cadeia produtiva de Carne Suína e a perspectiva de projeto semelhante em pescados e hortaliças.
Há, portanto, várias possibilidades para os empreendedores Rurais se destacarem positivamente no mercado. O agronegócio é base muito importante da economia, bem como de inclusão e ascensão social. Precisamos aliar as condições favoráveis do Brasil – clima, terra cultivável – ao uso responsável dos recursos naturais e ao conhecimento científico. É um desafio da maior importância ampliar o acesso do pequeno produtor à tecnologia disponível aos grandes. Essa constatação norteia nosso trabalho. Sabemos que o mercado sempre será mais promissor aos mais preparados.

Luiz Barreto é Presidente do Sebrae Nacional 
Fonte: Correio Braziliense