12 de março de 2015

PB pode dar início a produção de mel com maior qualidade


Ascom Senar-PB


O mel produzido por esta tipologia de abelha contém nutrientes básicos necessários à saúde.

 

 

Produzir mel de maior qualidade, mais saboroso e com menos açúcar é a nova aposta dos apicultores paraibanos. Durante o Fórum Paraibano de Apicultura e Meliponicultura, participantes e produtores discutiram a proposta de tipificar o mel oriundo das abelhas meliponas (sem ferrão) para obter a certificação do Serviço de Inspeção Federal (SIF). A intenção dos componentes do Fórum é fazer com que os produtores possam comercializar livremente o produto em supermercados e vender para outras cidades e estados, agregando valor e desenvolvendo a cadeia, já que este tipo de mel possui mais qualidade nutricional.
No encontro, o chefe do Departamento de Educação Profissional do Senar Paraíba, Carlos Alberto Patrício, apresentou como sugestão a colmeia vertical, novo modelo de caixa de abelha que facilita o transporte do mel até o local destinado a sua extração. “Uma grande dificuldade de termos a certificação era a falta de praticidade para levar o material até a Casa de Mel. Com esta nova ferramenta, esperamos obter o selo do SIF e passar a produzir um mel com alto potencial de valor agregado”, disse Patrício.
Ainda segundo o gestor do Senar-PB, a criação de abelhas sem ferrão, também chamadas de Meliponíneos, é uma atividade tradicional em quase todas as regiões do país, sendo praticada por pequenos e médios produtores. Possuem grande diversidade de formas, cores e tamanhos, podendo variar de 0,2 centímetro de comprimento até próximo de dois centímetros. Aqui, são conhecidas cerca de 200 delas, destacando-se a Mandaçaia, Uruçu e Jandaíra.
O mel produzido por esta tipologia de abelha contém nutrientes básicos necessários à saúde, como açúcares, proteínas e vitaminas. Além disso, possui elevada atividade antibacteriana, grande valor medicinal e é tradicionalmente utilizado contra doenças pulmonares, resfriado, gripe, dores de garganta e fraqueza.
De acordo com Carlos Alberto Patrício, as abelhas sem ferrão produzem um mel saboroso, de coloração ouro, tendo a produtividade da colônia da maioria das espécies, de um a quatro litros por ano, bem menor se comparada com a das abelhas com ferrão, que chega de 20 a 40 litros por ano. Entretanto, além de ter 10% menos de açúcar, ele apresenta variação de acordo com cada espécie produtora, enquanto alguns são mais viscosos e doces, outros são mais líquidos e azedos. Com isso há uma ampliação de opções para o mercado, agregando valor ao produto, cujos preços no varejo variam de R$ 30 a R$ 100 por litro.
Durante o encontro, instituições como Senar-PB, Ministério de Agricultura, Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Emater, Federação de Apicultura e Meliponicultura da Paraíba, associações de produtores, Emepa e UFPB, já iniciaram propostas para desenvolver a cadeia na região.
 
Assessoria de Comunicação Sistema Faepa/Senar-PB
(83) 3048-6073/6050
facebook.com/faepasenarpb
imprensa@senarpb.com.b
r