15 de agosto de 2014

Produtores participam de Dia de campo


Ascom Senar-PB

Aconteceu no último dia (15), na Estação Experimental Veludo, em Itaporanga, o Dia de campo sobre a cultura do sorgo forrageiro, promovido pelo Senar-PB. O evento, que conta com o apoio da Emepa, Emater e Sebrae, mostrou aos produtores rurais do Vale do Piancó a importância do sorgo para alimentação animal.
No evento, foi apresentado aos produtores rurais o potencial de produção da planta, demonstrando as técnicas adotadas no cultivo desde a retirada de amostras de solo para análise da fertilidade, corte da terra, adubação, plantio, irrigação, controle de pragas e doenças, controle químico e mecânico de ervas daninhas e a colheita. Também foi destacado, de forma detalhada, o custo de produção da lavoura, a produtividade esperada e as diversas formas de uso da planta para alimentação animal.
Os produtores dos programas Sertão Empreendedor e Balde Cheio, operacionalizados pelo Senar Paraíba, compareceram ao Dia de campo, reforçando os conhecimentos vistos durante a assistência técnica recebida.
Segundo o gestor do programa Balde Cheio do Senar-PB, Domingos Lélis, o evento foi de grande importância para os produtores, oportunizando o aprendizado sobre a cultura do sorgo. “É imprescindível que o produtor saiba e veja de perto como fazer o plantio de forma adequada, o controle de pragas e doenças da planta e receba informações sobre a condução da lavoura. Convém ao produtor rural saber mais sobre uma planta que é altamente resistente aos períodos de intermitência hídrica, para assim, poder manter a sua criação ao longo do ano”, disse Lélis.
O plano de ações do Sertão Empreendedor preconiza o uso de diversas alternativas de convivência com a seca e, de acordo com o coordenador nacional do Programa, Mário Borba, é de fundamental importância um dia de campo como este, para que a cultura do sorgo seja difundida como alternativa de alimentação animal, especialmente nos períodos de seca. “Queremos mostrar aos que aderiram ao programa aqui na Paraíba, que eles devem atuar preventivamente para enfrentar os períodos críticos de estiagem e falta de alimentação, despertando a necessidade de se fazer uma verdadeira mudança de atitude em relação aos métodos de convivência com a seca até então adotados”, explicou Borba.
De acordo com o assessor técnico do programa Sertão Empreendedor, Johnbel Paiva, “é de fundamental importância a divulgação de tecnologias que venham promover a permanência do homem do campo em suas propriedades, apesar da seca. Dessa forma, os técnicos mostraram que é possível produzir alimento para o rebanho e ainda armazenar para os períodos mais secos”, conta.
A lavoura plantada naquela localidade foi uma das atividades realizadas na Estação Experimental Veludo, que permitirá uma colheita de sementes de elevada qualidade genética, ampliando assim a oferta deste insumo aos criadores. A variedade plantada está sendo avaliada pela Emepa e a validação da técnica de produção com baixa tolerância hídrica será feita em propriedades privadas.
De acordo com o pesquisador Wandrick Hauss, o sorgo forrageiro tem sido bastante utilizado em substituição ao milho, especialmente para a produção de silagem. Embora tenha produtividade e valor nutritivo um pouco menor, essa cultura tem inúmeras vantagens para o semiárido, especialmente pela baixa exigência hídrica, onde se obtém produção satisfatória mesmo com pouca quantidade de chuva.
Assessoria de Comunicação  Sistema Faepa/Senar-PB