27 de setembro de 2017

SENAR participa de debate sobre inclusão e acessibilidade da pessoa com deficiência


Ascom Senar

acessibilidadeA busca pela inclusão e pela garantia dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência acontece diariamente. No campo, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) procura criar meios para incluir essas pessoas nos treinamentos e capacitações que oferta através do programa Apoena.

“As  pessoas com deficiência querem ser reconhecidas como cidadãos que também podem contribuir com a sociedade. Quando a gente inclui, toda a sociedade é beneficiada”, afirma a coordenadora de Programas e Projetos na Área da Saúde do SENAR, Deimiluce Lopes Fontes Coaracy, que participou na última semana do Seminário Internacional Acessibilidade e Inclusão: expressão da cidadania promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em comemoração ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, celebrado no dia 21 de setembro.

O seminário que teve como objetivo debater caminhos que promovam a igualdade de oportunidades para pessoas com deficiências, teve ainda a participação do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) que lançou um selo de qualidade predial em acessibilidade, inicialmente em caráter simbólico, a ser posteriormente avalizado por uma empresa certificadora acreditada junto ao Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e à Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

No caso do SENAR, no ambiente real de trabalho,  que é o campo, a acessibilidade deve ser atitudinal, principalmente, e buscar em todos os casos as adaptações razoáveis requeridas em cada caso, explica Deimiluce. “A pessoa com deficiência vive no meio rural, ela compreende que a acessibilidade arquitetônica é difícil de ser contemplada em todos os aspectos, mas ela mais do que ninguém sabe como transpor esses obstáculos. Então, quando a gente fala de atitude (que é uma barreira difícil de ser quebrada) , estamos afirmando que o instrutor do SENAR precisa se predispor a se comunicar melhor com o educando, entendendo quais as suas necessidades para que o processo ensino-aprendizagem aconteça da melhor forma possível, num ambiente de acolhimento e aceitação.

Mulheres com deficiência visual participam de treinamentos do SENAR Santa Catarina.

Mulheres com deficiência visual participam de treinamentos do SENAR Santa Catarina.

O SENAR utiliza uma metodologia participativa que incentiva as pessoas a compartilharem as suas experiências do dia a dia, nas capacitações, o que torna a aula mais colaborativa, tanto para as pessoas com deficiência quanto para as pessoas sem deficiência. Deimiluce enfatiza ainda que “nos cursos do SENAR não subavaliamos essas pessoas em decorrência da deficiência.

Quando eu coloco a deficiência na frente, crio uma barreira que impede que a pessoa avance. Algumas atitudes com a comiseração, por exemplo, impedem o acesso dela ao conhecimento. Por isso, trabalhamos a inclusão pela potencialidade.”  Ela argumenta que a inclusão da pessoa com deficiência é, na realidade, uma disposição psíquica, ou seja, é preciso estar disposto a entender a necessidade do outro, e a pessoa precisa também estar disposta. “Se não houver essa disposição de “mão dupla”, nada acontece no mundo da inclusão.”

De acordo com a coordenadora, a participação do SENAR no simpósio internacional reforça a necessidade da instituição abraçar a causa das pessoas com deficiência.  “Precisamos cada vez mais capacitar a instituição como um todo, entender que nosso público é variado e que quando falamos em inclusão também tratamos das questões gênero, classe social ou racial, ou seja, falar em inclusão social é falar em democratização dos espaços sociais, em crença na diversidade como valor, na sociedade para todos, e no exercício pleno dos direitos fundamentais, pondera Deimiluce.

Apoena

De origem indígena, do tupi-guarani, a palavra Apoena significa “aquele que enxerga longe”. A iniciativa capacita mobilizadores, instrutores e supervisores do SENAR, com intuito de incluir a pessoa com deficiência, reforçando o compromisso da entidade com a melhoria da qualidade de vida de todos aqueles que vivem e trabalham no meio rural. “Com o programa, primamos pelos princípios democráticos de igualdade e respeito à dignidade do outro, enxergando nas pessoas com deficiência muito mais do que sua limitação, mas sua capacidade, habilidade e competência”, conclui Deimiluce Fontes.

ft3

Em parceria com a Ande-Brasil, o SENAR leva atendimento na área de equoterapia para pessoas com deficiência em estados como Goiás e Mato Grosso do Sul.

Saiba mais

Pessoas com deficiência é a terminologia atual mais adequada para se referir a pessoas que podem necessitar temporária ou permanentemente de um atendimento especial. Foi adotada pelo Decreto Legislativo 186, de 9/7/08, e pelo Decreto 6.949, de 25/8/09 (Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência).

Há dois grupos de necessidades distintas entre si: as necessidades especiais temporárias e as necessidades permanentes. As temporárias são aquelas que em algum momento acabarão. Como exemplo, gestantes, pessoas levemente acidentadas que porventura estejam fazendo uso de moletas, gesso ou similar, em que as principais necessidades serão contempladas se houver adaptação de mobiliário e/ou espaço.

As necessidades permanentes, de acordo com o decreto 3.298 de 20 de dezembro de 1989, são aquelas que ocorreram ou se estabilizaram durante um período de tempo suficiente para não permitir recuperação ou a probabilidade de que se alterarem, apesar de novos tratamentos. (Dados do guia de Orientações Técnicas e Fundamentos Legais do programa Apoena).

Clique aqui e conheça a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

Assessoria de Comunicação do SENAR
(61) 2109-4128
www.senar.org.br
www.facebook.com/SENARBrasil
www.twitter.com/SENARBrasil