30 de setembro de 2014

Senar prepara mais 42 instrutores para assistência técnica


Ascom Senar-PB

A formação de instrutores para atuar no Programa de Assistência Técnica e Gerencial do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) segue avançando. Até o momento, 106 multiplicadores da metodologia já concluíram o curso preparatório de Gestão Técnica e Econômica de propriedades rurais, com ênfase em Projetos de ATER – PRONATEC 2014 e mais 42 profissionais iniciaram a capacitação nesta segunda-feira (29/9).
A turma – formada por representantes de 13 Estados – seguirá reunida até o dia 10 de outubro, em Brasília. Depois, eles irão capacitar os técnicos de campo das suas regionais através do curso de Assistente de Planejamento e Controle de Produção, do Pronatec do SENAR, para poderem atuar no programa da entidade.
O conteúdo do curso é dividido em dois módulos – um sobre a metodologia de assistência técnica do programa do SENAR e outro gerencial, com métodos de avaliação econômica das propriedades, totalizando 80 horas/aula. Uma complementação tecnológica nas cadeias específicas de cada instrutor, no formato de Educação a Distância (EaD), também será disponibilizada para os interessados. A meta é preparar 250 instrutores para todo o Brasil. Na última quinta-feira (25/9), o primeiro grupo de agentes de ATER começou a ser formado no Colégio Estadual Agrícola Rei Alberto I, em Nova Friburgo (RJ).
“Existe uma grande lacuna em assistência técnica hoje no Brasil. Mas não adianta insistir em modelos engessados, com conotação meramente assistencialista ou com interesses comerciais. Isso está fadado ao insucesso. O grande diferencial do programa do SENAR é contemplar a gestão das propriedades rurais. Temos que levar tecnologia, mas também conhecimento gerencial para que o produtor enxergue os resultados na sua propriedade e possa tomar a decisão”, ressalta o coordenador de Assistência Técnica e Gerencial do SENAR, Matheus Ferreira Pinto da Silva.
Participantes destacam continuidade do programa
O instrutor do SENAR do Espírito Santo, Gabriel Passos, acredita que o serviço de assistência técnica será de extrema importância para complementar o trabalho de formação profissional rural que a entidade já desenvolve. “A gente dá o curso e quando volta na propriedade vê que eles gostaram e aplicaram a maioria das coisas, mas como não tem acompanhamento sempre fica algum déficit. Com esse programa, vamos fechar esse ciclo com chave de ouro”, declara.
Para ele, a demanda por assistência técnica existe em todas as cadeias produtivas, até mesmo naquelas onde o Estado tem tradição, como na cafeicultura. “Encontramos produtores que não sabem fazer uma poda básica. Isso, muitas vezes, pode alavancar a produção de um pequeno agricultor de forma significativa e trazer um resultado econômico bem maior”, alerta.
Há 19 anos no SENAR do Rio Grande do Sul, o instrutor Marcelino Colla sabe perfeitamente o tamanho do benefício que o novo serviço da entidade poderá proporcionar. Segundo ele, a continuidade das ações sempre foi questionada pelos produtores atendidos e o acompanhamento que será oferecido agora também vai contribuir com o trabalho dos mobilizadores e instrutores. “Vai ficar mais fácil para mobilizar porque agora o produtor vai saber que o profissional irá na propriedade dele acompanhar depois”.
Além do conteúdo técnico e gerencial, Colla destaca a importância da parte motivacional dentro do programa. Como exemplo, ele cita a bovinocultura de leite, uma das áreas com mais demanda pelo serviço no Rio Grande do Sul. Para o instrutor, a atividade exige uma dedicação diária porque muitos fatores podem servir para incentivar ou desanimar o produtor. “Os produtores querem ser ouvidos. Precisamos dialogar e trabalhar a questão comportamental o tempo inteiro. Tem que ser um pouco psicólogo também e nisso a assistência técnica vai ajudar muito, pois estaremos mais próximos deles”, revela.
Programa do SENAR
O Programa de Assistência Técnica e Gerencial com Meritocracia foi criado pelo sistema CNA/SENAR buscando sanar a lacuna existente no Brasil nessa área. Segundo dados do Censo Agropecuário de 2006 do IBGE, apenas 9,3% dos produtores rurais receberam visitas regularmente.
Em virtude da sua capilaridade, a estrutura nacional do SENAR será capaz de abranger todos os municípios brasileiros, de forma a promover a formação profissional das pessoas que vivem e/ou trabalham no campo, além de proporcionar acesso pelos produtores rurais a um modelo de assistência técnica associado à consultoria gerencial, permitindo mudanças efetivas no ambiente das empresas rurais. O objetivo é formar 10 mil profissionais para atuarem em programas de Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil.
As cadeias produtivas trabalhadas inicialmente serão: Pecuária de leite, Pecuária de Corte, Heveicultura, Horticultura, Ovinocaprinocultura, Suinocultura, Piscicultura, Apicultura, ILPF, Fruticultura e Agricultura Orgânica.
Assessoria de Comunicação do SENAR