31 de julho de 2013

Superintendentes do SENAR debatem projetos em Brasília


Ascom Senar-PB

Os superintendentes do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) estão reunidos na sede do Sistema CNA/SENAR em Brasília até amanhã, 31 de julho, para um encontro de alinhamento dos projetos que já estão em andamento e para a apresentação dos novos programas que a entidade pretende desenvolver nos próximos anos. O SENAR atua nos 27 estados brasileiros e no Distrito Federal oferecendo ações de formação profissional rural e de promoção social. Ao todo, um milhão de pessoas do meio rural são atendidas gratuitamente, por ano.
O destaque do primeiro dia da programação foi a apresentação sobre o Sistema de Assistência Técnica com Meritocracia, realizada pelo secretário executivo do SENAR, Daniel Klüppel Carrara. Segundo ele, o projeto pretende reestabelecer o trabalho da assistência técnica no país e auxiliar, principalmente, os produtores rurais das classes C, D e E que não têm acesso às novas tecnologias.
De acordo com o Censo Agropecuário de 2006 – realizado pelo IBGE –, dos 5,1 milhões de estabelecimentos rurais do Brasil, apenas 9,3% receberam assistência técnica e extensão rural regularmente. “Sem assistência técnica a gente não chega no produtor rural. Vamos capacitar o produtor para ele ser empreendedor, buscar eficiência e aumento da produtividade e renda. Outro desafio será formar técnicos para combater o apagão de mão de obra que enfrentamos no Brasil ”, declara o secretário executivo do SENAR.
Antes de implantar o programa, o SENAR vai traçar um perfil tecnológico dos produtores. A extensão rural será voltada para grupos de produtores selecionados e o trabalho desenvolvido por metas. A remuneração da equipe técnica seguirá critérios de meritocracia, ou seja, vai depender do cumprimento das metas de assistência técnica pactuadas, que podem abranger da redução da mortalidade infantil na região ao aumento da produtividade e renda na propriedade.
“A extensão rural é fundamental para a atividade e também para a promoção social. Precisamos consolidar essa mudança e levar assistência técnica para, pelo menos, um milhão de propriedades”, destaca o 1º vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia, João Martins da Silva Júnior.
Eliseu Alves: “O desafio é fazer com que os produtores percebam que conhecimento é decisivo”
Na opinião do fundador e pesquisador da Embrapa, Eliseu Roberto Alves, um dos maiores desafios será acabar com as restrições de mercado para os produtores terem retorno, em produtividade e renda, e perceberem que a aquisição de conhecimento é decisiva nesse processo. “Nas regiões em que o produtor rural consegue ter uma vida melhor, ele percebe a importância da assistência técnica. O sul do país não tem os mesmos problemas que o Nordeste”, exemplifica.
Para ele, a assistência técnica foi decisiva para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro, mas não pode ficar limitada a um grupo pequeno de estabelecimentos, como tradicionalmente ocorreu no país, pois isso incentiva a permanência da desigualdade. “Precisamos aprender a fazer o diagnóstico certo. Temos que selecionar os grupos que realmente podem sair da pobreza com a agricultura, senão vamos repetir a mesma história. O SENAR é descentralizado, está presente em todos os Estados do País, e tem condições de identificar quem realmente precisa de assistência técnica”, acredita.
Programa em andamento
Na Bahia, a semente da assistência técnica são as ações de validação que já ocorrem dentro do Programa de Formação de Empreendedores (FEM). Considerada uma das etapas mais importantes pelos produtores rurais, o acompanhamento profissional será ampliado com a contratação de 35 profissionais específicos para essa finalidade. “Existe fome de assistência técnica. A demanda por ser assistido e acompanhado é imensa. Isso vai coroar o processo de capacitação mais integral dos produtores e dos trabalhadores rurais”, ressalta o superintendente do SENAR/BA, Geraldo Magalhães Machado.
Durante o primeiro dia do evento também foram realizadas apresentações sobre a Rede e-Tec do SENAR, o Programa Sertão Empreendedor: um novo tempo para o semiárido e o Programa Viver Bem no Semiárido.
Assistência Técnica do SENAR:
– Assistência técnica para grupos de produtores selecionados
– Remuneração de técnicos de acordo com mérito e alcance das metas pactuadas
– Desenvolvimento e implantação de sistema de controle de dados e indicadores de assistência técnica
– Acompanhamento mensal da evolução do produtor ou visitas de acordo com a característica da cadeia produtiva
– Obrigatoriedade de participação do produtor em programa de qualificação profissional

Fonte: Assessoria de Comunicação do SENAR