20 de junho de 2013

Pronatec no Senar cria ponte entre conhecimento e sucesso


Ascom Senar-PB

O Pronatec do SENAR tem incentivado jovens do País inteiro a criar o próprio negócio e a permanecer no campo. Em Arraial, no Piauí, três jovens concluíram o curso de Ovinocultor e cada um aproveitou o módulo Empreender no Campo da melhor forma que conseguiu.
“O SENAR ajuda quem está sem oportunidade. Foi o incentivo que eu precisava. Se tiver outros cursos, principalmente o de Bovino, eu vou fazer” conta Francisco das Chagas Filho, de 23 anos. Ele e um amigo aproveitaram as aulas práticas de empreendedorismo para criar uma microempresa que deu certo: após o curso, resolveram investir em carne bovina ao invés de caprina, dividiram as responsabilidades e abriram um açougue no mercado local.
“Nós compramos o animal vivo, abatemos e vendemos a carne. Conseguimos inclusive baixar o preço do quilo com osso de R$ 12 para R$ 10. Estamos tirando um salário mínimo cada um e conseguimos contratar uma pessoa para nos ajudar. Estamos indo bem e eu quero continuar meu negócio aqui porque fui criado no campo e sou apaixonado por ele”, revela Francisco.
Quem também se inspirou com o curso do Pronatec do SENAR foi Antônio Alves da Costa. O jovem apostou na venda de caprinos e ovinos e conta que apesar de ter começado agora já está lucrando com o negócio. “Alugamos um ponto na cidade e estamos abatendo e vendendo a carne. Nosso principal lucro vem das vendas na feira que acontece todo sábado.”
Antônio explica que o que mais gostou no curso do SENAR foram as dicas de empreendedorismo. “Eu aprendi coisas que nunca pensei que existiam. Não sabia que era possível criar uma empresa e lucrar com ela. Estava bem debaixo do meu nariz e eu não percebia. Foi muito bom para mim fazer esse curso.” Apesar das vendas estarem indo bem, o jovem diz que tem um sonho: “Quero fazer veterinária”.
O Módulo Empreender no Campo também deu a oportunidade para Eliete Moreira Borges vender sua produção de artesanato. A estudante de 17 anos conta que já fazia bordado à mão quando entrou para o curso de Ovinocultor. “Com as técnicas de empreendedorismo consegui melhorar meu jeito de trabalhar. Fiz meu nome na cidade e agora produzo e vendo toalhas, panos de prato, centros de mesa. A cidade é pequena e o lucro não é grande, mas é bom, já ajuda. Posso dizer que ganho bem com o que faço” revela.
Eliete diz que fazer o curso foi uma experiência nova e ressalta que pretende fazer outros. “Adorei a experiência, quero fazer outros, principalmente de artesanato, porque gosto muito de criar. E para o futuro, penso em fazer veterinária.”

Fonte: Assessoria de Comunicação do SENAR