15 de julho de 2016

Sistema CNA/SENAR atualiza ferramenta que avalia desenvolvimento sindical


Jocélio Oliveira

Ajustar e aprimorar o Índice de Desenvolvimento Sindical (IDS) para melhorar a atuação dos sindicatos rurais. Esse é o foco do grupo de trabalho do projeto Inovação Sindical que está reunido até sexta-feira (15) na sede do Sistema CNA/SENAR, em Brasília. O grupo é formado por técnicos do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e de Federações de Agricultura e Pecuária.

O IDS é uma ferramenta aplicada nos sindicatos rurais após participarem do programa Sindicato Forte, que realiza o Diagnóstico e Capacitação de Dirigentes e Colaboradores; e o Planejamento Estratégico do Sindicato.

“Pretendemos fazer alguns ajustes que vão otimizar a aplicação do IDS e ajudar os dirigentes e colaboradores na hora de responder os questionamentos  presentes nos módulos que compõe o índice, melhorando assim, a atuação dos sindicatos”, comenta o assessor técnico do Departamento Sindical do Sistema CNA/SENAR, Ademar Fernandes.

Claudinei Rigonatto da FAEG (à esquerda) e Ademar Fernandes (à direita) do Departamento Sindical, durante videoconferência com as Federações.

Claudinei Rigonatto da FAEG (à esquerda) e Ademar Fernandes (à direita) do Departamento Sindical, durante videoconferência com as Federações.

Atualmente, o Índice de Desenvolvimento Sindical é formado por cinco módulos: obrigações legais, atuação institucional, gestão, prestação de serviços e avaliação qualitativa e é aplicado em três etapas que envolvem reunião com a diretoria e os colaboradores do sindicato para preenchimento da planilha-base, avaliação das respostas coletadas e apresentação e discussão dos resultados levantados para planejamento das ações voltadas à melhoria da entidade. Mas, a intenção do grupo de trabalho é mudar essa estrutura, como afirma o superintendente da Federação de Agricultura e Pecuária de Goiás, Claudinei Rigonatto. “Queremos reduzir para dois módulos: coleta de dados e apresentação de resultados e criar um pós-IDS, que será uma consultoria para orientar a diretoria dos sindicatos no planejamento das ações de melhoria.”

Sérgio Martins, superintendente do SENAR Paraíba.

Sérgio Martins, superintendente do SENAR Paraíba.

“O IDS deve ajudar o sindicato e não apenas mensurar resultados”, avalia Sérgio Martins, superintendente do SENAR Paraíba. O estado tem 41 sindicatos rurais e Martins acredita que além do trabalho que a Regional já desenvolve para o setor, o programa CNA Jovem, promovido pelo SENAR Brasil, contribuiu para aproximar o Sistema das entidades sindicais. “Antes nos reuníamos duas vezes por ano com os sindicatos, já aumentamos para quatro encontros anuais. Os jovens têm nos ajudado muito nessa aproximação, estamos apostando nas novas lideranças que estão surgimento a partir do CNA Jovem”, destaca.

Nesta quinta-feira (14) o grupo de trabalho realizou uma videoconferência com representantes de todas as Federações de Agricultura para alinhamento, troca de ideias e envio de sugestões. “Pedimos para enviarem sugestões até sexta (15), pois pretendemos compilar todas as alterações sugeridas ainda esta semana e dar os encaminhamentos necessários às mudanças no IDS”, afirma Ademar Fernandes.

O Índice de Desenvolvimento Sindical surgiu de um planejamento estratégico realizado na Federação de Goiás e posteriormente se tornou o índice como é hoje, conta Sérgio Cordioli, consultor que participou da criação da ferramenta. “Começamos a elencar algumas questões e daí surgiu a necessidade de termos sindicatos fortes. Mas então apareceu a dúvida: o que seria um sindicato forte? Que tem boa diretoria, planejamento? Esse foi o ponto de partida para criação do IDS. É um parâmetro interessante e uma avaliação em primeiro plano do próprio sindicato em relação aos outros, e visa apontar suas fragilidades comparativamente aos demais sindicatos. E nesse parâmetro de olhar sua própria fragilidade e vulnerabilidade é que deve surgir o plano de trabalho para corrigir exatamente o que é necessário corrigir”, explica.

Sérgio Cordioli, consultor.

Sérgio Cordioli, consultor.

Cordioli acredita que é importante que os sindicatos se comparem em diversos aspectos, tanto no seu estado, quanto na região ou macrorregião, para que consigam identificar em que precisam melhorar. Para ele, os ajustes que estão sendo feitos pelo grupo de trabalho do Sistema CNA/SENAR indicam que a ferramenta está em transformação. “A atualização é importante porque o índice está evoluindo e, como queremos uma característica nacional, é preciso ver onde há falhas nessa comparabilidade nacional. Essa é uma evolução natural, de aprimoramento do instrumento.”

Assessoria de Comunicação do SENAR
(61) 2109-4128
Fotos: Wenderson Araújo e Tony Oliveira
www.senar.org.br
www.facebook.com.br/SENARBrasil
www.twitter.com/SENARBrasil
www.canaldoprodutor.tv.br