13 de abril de 2020

Técnica de campo do Senar orienta sobre higienização na ordenha


Ascom Senar

Produtor rural recebe orientações

A higiene deve ser palavra de ordem na bovinocultura de leite. Segundo a zootecnista Edivânia Salvador, técnica de campo dos programas de Assistência Técnica e Gerencial do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar Alagoas –, é preciso redobrar os cuidados com o ordenhador, os acessórios, os animais e o local onde o leite é ordenhado.

“A primeira preocupação em relação ao ordenador é com as mãos. Antes de cada ordenha, é preciso lavá-las com água e sabão e, em seguida, deixá-las bem secas. Os utensílios também devem estar bem higienizados e enxutos no momento da ordenha. Lavar os acessórios com água e sabão e utilizar uma bucha para limpar todos os cantos é primordial e evita a proliferação de bactérias”, diz Edivânia.

Em relação aos animais, a preocupação maior é como com os tetos, que precisam estar limpos para que sujidades não caiam no leite e provoquem uma contaminação. “No momento da ordenha, deve-se lavar somente os tetos, nunca o úbere, para evitar que a água escorra do úbere e contamine o leite. Depois da lavagem, quando for enxugar os tetos, é recomendável usar toalhas descartáveis, pois os panos podem levar bactérias para os tetos e essas bactérias podem cair no leite”, explica a técnica de campo do Senar.

Segundo Edivânia, o local da ordenha precisa estar bem limpo e ser ventilado para criar um ambiente adequado para o bem-estar humano e do animal. “No caso da ordenha mecânica, as teteiras requerem o máximo de cuidado e devem ser higienizadas com a utilização de escovas para evitar que algum leite residual cause a proliferação de bactérias naquele local”, diz a zootecnista.

Por: Ascom Senar Alagoas